Pular para o conteúdo principal

Bióloga News: Webinar gratuito "Avanços e Desafios na Vacinação de Idosos, Adultos e Grupos Especiais no Brasil"



Na quarta-feira, dia 9 dezembro, a Interfarma, Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, em parceria com a Frente Parlamentar do Programa Nacional de Imunizações, realizará um webinar gratuito sobre os avanços e desafios na vacinação de idosos, adultos e grupos especiais no Brasil. O evento, que terá duração de duas horas, discutirá temas atuais e de grande importância para a sociedade, como a vacinação de gestantes, o impacto das comorbidades e a vacinação recomendada para este público, como manter a vacinação atualizada em meio a pandemia, entre outros tópicos:

  • Vacinação é importante ao longo da vida;
  • Vacinação da gestante;
  • Como ampliar a proteção desta população, mais afetada pelo COVID-19, através da vacinação disponível no PNI;
  • Impacto das comorbidades e vacinação recomendada a este público - disponível nos CRIES;
  • Papel dos CRIES ao atender populações especiais e esclarecer a rota de acesso a estes pacientes;
  • Quais as estratégias de comunicação utilizadas pelo MS para engajar a população adulta à proteger a si mesmo e a sua família;
  • Como planejar a vacinação em meio a pandemia? (Sarampo presente em 21 estados; Campanha postergada devido à baixa adesão).

Moderado por Pedro Westphalen, médico, o webinar contará com a participação da Presidente da Comissão de Imunização da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), Dra. Maisa Kairalla, da Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Dra. Isabella Ballalai, e da Diretora da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), Dra. Lessandra Michelin. A iniciativa é um apoio à Campanha de Multivacinação do PNI, iniciada em outubro.

- Informações -

Avanços e Desafios na Vacinação de Adultos, Idosos e Grupos Especiais o Brasil

:09/12 - das 19h às 21 horas

Inscrições Gratuitas AQUI



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bióloga de Salto

  O Blog Bióloga de Salto surgiu em 2009 com a missão de desvincular o esteriótipo social imposto às biólogas (pesquisadoras do lab ou do campo) que escolheram estudar a vida, em toda a sua complexidade. Sem perder o salto, essa nova versão 2.0 do Bióloga será um novo espaço para o diálogo científico e feminino, já a sua máscara de cílios não define o seu poder cognitivo. Espero que você também possa compartilhar suas experiências de bancada e de make aqui comigo.

Ciência (anti)empática

  Nesses últimos dias tenho observado e conversado com diferentes colegas pesquisadores mundo a fora, e ao que parece, a empatia está na lista vermelha de espécies em extinção.   Escutar e se colocar (verdadeiramente) no lugar do outro é uma utopia escancarada nas redes sociais, mas que na prática refutam o óbvio (não dogmático) científico. Será que a sociedade tem empatia pelo cientista/pesquisador? Será que nossa sociedade está entendendo e se coloca no lugar dos pesquisadores? A pandemia do vírus Sars-Cov-2 está ai para servir de bancada para todos, inclusive para própria sociedade. Ao ser descoberto pelo médico oftamologista Li Wenliang da cidade de Wuhan em dezembro de 2019, a sociedade o silenciou (e infelizmente isso custou sua própria vida). Logo após, ser considerado um novo vírus com alta taxa de contagio, a sociedade decretou vida normal inclusive dos países com grande fluxo turístico, como a Itália (não preciso reavivar a memória das imagens). Ao chegar ao Brasil em 48 h

E nem sossegarei

  Nessa semana que passou finalmente conheci a Gabriela Prioli (nunca tinha visto só ouvido falar!) e a Rita Von Hunty. Personalidades diferentes, mas com um intelecto curioso e ávido por respostas. O que elas têm em comum? Além de professoras e com expertise em política, dentre outras coisas... O hábito da leitura.   A live da Gabriela Prioli para o perfil da digital influencer Silvia Braz ( Clica AQUI ) foi um espetáculo literário no qual não paro de pensar. A advogada durante a live deixou muito claro que a diversidade de estilos literários, autores, temas e áreas ajudaram em seu processo de construção intelectual. A prática da leitura para muitos ainda é vista como algo “chato e tedioso”. Por outro lado, pode ser também um hobby, só que não está acessível a todo mundo. A internet possibilita o acesso aos mais diversos livros em distintos formatos (audiobooks, .pdf, ebook, etc.) e idiomas e em qualquer parte do globo. Porém, em nosso país 45, 960 milhões de pessoas (25% da popul