Pular para o conteúdo principal

Bióloga News: Natura e Capes anunciam vencedores do 3° Prêmio de Excelência em Pesquisa

Bióloga News


Nesta última quinta-feira (3), a Natura divulgou os vencedores da terceira edição do Prêmio Capes/Natura Campus de Excelência em Pesquisa, que tem como objetivo estimular a produção de artigos de alta relevância e impacto para o desenvolvimento científico e tecnológico voltados à sustentabilidade e à biodiversidade. Os ganhadores foram anunciados, durante evento online, conduzido por Roseli Mello, head global de Pesquisa e Desenvolvimento da Natura, e por Benedito Aguiar, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Na edição de 2020 do prêmio, foram recebidos 153 estudos de alunos de mestrado e doutorado de instituições de ensino de todo o país relacionados a duas temáticas: “Ciências moleculares e bioinformática com aplicações em tecnologias cosméticas” e “Amazônia: a ciência de dados contribuindo para a conservação socioambiental e uso sustentável dos recursos naturais”. O Sudeste lidera com o maior número de inscrições, com 61 trabalhos inscritos, seguido da região Norte, com 38. No total, 62 instituições de ensino foram representadas nas inscrições, sendo a Universidade Federal do Pará a responsável pelo envio do maior número de cases da terceira edição, com 13 trabalhos inscritos.

 


“Nossas metas, que fazem parte da nossa Visão de Sustentabilidade 2050, buscam seguir gerando impacto positivo em três esferas: econômica, ambiental e social. Para isso, uma de nossas principais estratégias é a inovação aberta e em rede. Ninguém muda o mundo sozinho. Por isso, as relações são a essência da Natura, tanto no nosso modelo de negócio quanto na produção de conhecimento. Apostamos na diversidade, criatividade e no trabalho coletivo junto a nossos parceiros como propulsores da inovação e o Prêmio é uma maneira de reconhecer esses novos talentos”, afirma Roseli Mello, head global de Pesquisa & Desenvolvimento da Natura.

Para Benedito Aguiar, presidente da Capes, o cenário de pandemia provou que a ciência e a inovação são indispensáveis para construir sociedades mais sustentáveis, saudáveis e seguras. “Unir essas potencialidades é fundamental para o desenvolvimento de uma nação – econômico, tecnológico, na saúde, na educação e na preservação do meio ambiente. O Prêmio CAPES/Natura Campus acredita nessa proposta por meio do reconhecimento da pesquisa científica focada em sustentabilidade e biodiversidade, temas estratégicos para o futuro que almejamos”, diz.

Todos os artigos avaliados e selecionados foram publicados em veículos de alto impacto científico. Uma banca composta por pesquisadores da Capes e da Natura elegeu dois vencedores, um para cada categoria do prêmio, premiados com R$ 25 mil. Além disso, os autores receberam o certificado de premiação em nome do programa de pós-graduação e pesquisa da instituição correspondente. Os segundos e terceiros colocados foram reconhecidos com certificados de menções honrosas.

Na categoria “Ciências Moleculares e bioinformática com aplicações em tecnologias cosméticas”, o vencedor foi Vinicius de Medeiros Alves, estudante de doutorado em Inovação Farmacêutica da Universidade Federal de Goiás, com o artigo “Qsar Models of Human Data Can Enrich or Replace Llna Testing for Human Skin Sensitization”

Já na categoria “Amazônia: a ciência de dados contribuindo para a conservação socioambiental e uso sustentável dos recursos naturais”, o prêmio foi para Catherine Torres de Almeida, estudante de doutorado em Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional De Pesquisas Espaciais, com o artigo “Combining Lidar And Hyperspectral Data For Aboveground Biomass Modeling In The Brazilian Amazon Using Different Regression Algorithms”.

O evento contou, ainda, com um debate sobre a importância da ciência, da tecnologia e da inovação para criar impacto positivo com a participação de José Neto, colaborador da unidade Natura de Benevides, e Sandra Zanotto, sócia-fundadora da startup Amazon Doors.

A mediação do painel foi realizada por Iguatemi Costa, gerente científico sênior da Natura. Ao final do debate, foram anunciados os finalistas e vencedores do prêmio.

CONFIRA OS FINALISTAS DO PRÊMIO CAPES 2020

 

Titulo do Artigo

Autor

Nível

Programa

IES

Categoria

Qsar Models of Human Data Can Enrich or Replace Llna Testing for Human Skin Sensitization

Vinicius De Medeiros Alves

Doutorado

Inovação Farmacêutica

Universidade Federal De Goiás

Ciências Moleculares E Bioinformática Com Aplicações Em Tecnologias Cosméticas.

Adaptation of A Skin Sensitization Assay to a Chemically Defined Culture

Bianca Marigliani

Doutorado

Biotecnologia

Instituto Nacional De Metrologia, Normalização E Qualidade Industrial

Ciências Moleculares E Bioinformática Com Aplicações Em Tecnologias Cosméticas.

Production of 1,3-Propanediol By Clostridium Beijerinckii Dsm 791 From Crude Glycerol and Corn Steep Liquor: Process Optimization And Metabolic Engineering

Daiana Wischral

Doutorado

Engenharia De Processos Químicos E Bioquímicos

Universidade Federal Do Rio De Janeiro

Ciências Moleculares E Bioinformática Com Aplicações Em Tecnologias Cosméticas.

Combining Lidar And Hyperspectral Data For Aboveground Biomass Modeling In The Brazilian Amazon Using Different Regression Algorithms

Catherine Torres De Almeida

Doutorado

Sensoriamento Remoto

Instituto Nacional De Pesquisas Espaciais

Amazônia: A Ciência De Dados Contribuindo Para Conservação Socioambiental E Uso Sustentável Dos Recursos Naturais.

Estimation Of Mortality And Survival Of Individual Trees After Harvesting Wood Using Artificial Neural Networks In The Amazon Rain Forest

Leonardo Pequeno Reis

Doutorado

Economia Regional E Políticas Públicas

Universidade Estadual De Santa Cruz

Amazônia: A Ciência De Dados Contribuindo Para Conservação Socioambiental E Uso Sustentável Dos Recursos Naturais.

Spatial Association Of Fruit Yield Of Bertholletia Excelsa Bonpl. Trees In Eastern Amazon

Anderson Pedro Bernardina Batista

Doutorado

Estatística E Experimentação Agropecuária

Universidade Federal De Lavras

Amazônia: A Ciência De Dados Contribuindo Para Conservação Socioambiental E Uso Sustentável Dos Recursos Naturais.


Parabéns aos pesquisadores e cientistas brasileiros e a Natura por incentivar a sustentabilidade e a rentabilidade das nossas pesquisas. Assista à gravação do evento AQUI

Sobre a Natura

Fundada em 1969, a Natura é uma multinacional brasileira de higiene e cosmética. Conta com mais de 1.8 milhão de consultoras na América Latina, sendo líder no setor de venda direta no Brasil. Faz parte de Natura &Co, resultado da combinação entre as marcas Avon, Natura, The Body Shop e Aesop. A Natura foi a primeira companhia de capital aberto a receber a certificação de empresa B no mundo, em dezembro de 2014, o que reforça sua atuação transparente e sustentável nos aspectos social, ambiental e econômico. É também a primeira empresa brasileira a conquistar o selo "The Leaping Bunny", concedido pela organização de proteção animal Cruelty Free International, em 2018, que atesta o compromisso da empresa com a não realização de testes em animais de seus produtos ou ingredientes. Com operações na Argentina, Chile, Colômbia, Estados Unidos, França, México, Peru e Malásia, os produtos da marca Natura podem ser adquiridos com as Consultoras, por meio do e-commerce, app Natura, nas lojas próprias ou nas franquias "Aqui tem Natura". Para mais informações, visite www.natura.com.br  ou acesse os perfis da empresa nas redes sociais: LinkedIn,Facebook eInstagram.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bióloga de Salto

  O Blog Bióloga de Salto surgiu em 2009 com a missão de desvincular o esteriótipo social imposto às biólogas (pesquisadoras do lab ou do campo) que escolheram estudar a vida, em toda a sua complexidade. Sem perder o salto, essa nova versão 2.0 do Bióloga será um novo espaço para o diálogo científico e feminino, já a sua máscara de cílios não define o seu poder cognitivo. Espero que você também possa compartilhar suas experiências de bancada e de make aqui comigo.

Ciência (anti)empática

  Nesses últimos dias tenho observado e conversado com diferentes colegas pesquisadores mundo a fora, e ao que parece, a empatia está na lista vermelha de espécies em extinção.   Escutar e se colocar (verdadeiramente) no lugar do outro é uma utopia escancarada nas redes sociais, mas que na prática refutam o óbvio (não dogmático) científico. Será que a sociedade tem empatia pelo cientista/pesquisador? Será que nossa sociedade está entendendo e se coloca no lugar dos pesquisadores? A pandemia do vírus Sars-Cov-2 está ai para servir de bancada para todos, inclusive para própria sociedade. Ao ser descoberto pelo médico oftamologista Li Wenliang da cidade de Wuhan em dezembro de 2019, a sociedade o silenciou (e infelizmente isso custou sua própria vida). Logo após, ser considerado um novo vírus com alta taxa de contagio, a sociedade decretou vida normal inclusive dos países com grande fluxo turístico, como a Itália (não preciso reavivar a memória das imagens). Ao chegar ao Brasil em 48 h

E nem sossegarei

  Nessa semana que passou finalmente conheci a Gabriela Prioli (nunca tinha visto só ouvido falar!) e a Rita Von Hunty. Personalidades diferentes, mas com um intelecto curioso e ávido por respostas. O que elas têm em comum? Além de professoras e com expertise em política, dentre outras coisas... O hábito da leitura.   A live da Gabriela Prioli para o perfil da digital influencer Silvia Braz ( Clica AQUI ) foi um espetáculo literário no qual não paro de pensar. A advogada durante a live deixou muito claro que a diversidade de estilos literários, autores, temas e áreas ajudaram em seu processo de construção intelectual. A prática da leitura para muitos ainda é vista como algo “chato e tedioso”. Por outro lado, pode ser também um hobby, só que não está acessível a todo mundo. A internet possibilita o acesso aos mais diversos livros em distintos formatos (audiobooks, .pdf, ebook, etc.) e idiomas e em qualquer parte do globo. Porém, em nosso país 45, 960 milhões de pessoas (25% da popul