Pular para o conteúdo principal

Bióloga News: A escova que limpa seus dentes pode poluir o meio ambiente

As escovas dentais são indispensáveis para fazer a manutenção da saúde bucal. Porém, por serem fabricadas a base de plásticos, demoram muitos anos para se degradarem, gerando um grande impacto ambiental. Você já pensou na sua pegada ecológica após o descarte da sua escova de dentes?

Pensando que o recomendado por cirurgiões dentistas, é a troca das escovas a cada três meses e levando em consideração que cada escova dental pesa em torno de 16g, em um ano são geradas 1920 toneladas de lixo polimérico com escovas dentais no Brasil.

Segundo a cirurgiã dentista Daniela Yano atualmente algumas marcas já vêm comercializando escovas dentárias consideradas biodegradáveis, porém como a maioria apresenta cerdas que possuem em sua composição o carvão ativado, ainda não têm sido recomendadas pelos dentistas. Em termos de sustentabilidade quando se trata destas escovas, se recomenda que as cerdas sejam cortadas e descartadas em lixo reciclável e apenas o cabo descartado em lixo comum ou até mesmo enterrado, pois apenas o cabo, composto por bambu, é de fato biodegradável.

Assim, as escovas dentais de bambu tornam-se uma alternativa sustentável. Aqui em Natal a cirurgiã-dentista Isabel Scott além de estimular a saúde bucal de seus pacientes, promove a sensibilização ambiental. A dentista entregou a seus pacientes escovas de dente a base de bambu, ou seja, biodegradáveis. Uma alternativa para estimular o consumo consciente sem desvalorizar o cuidado com a saúde e o bem-estar.



Em Natal já é possível adquirir as escovas de bambu com o pessoal da Alkymistic. O Kit de 4 escovas veganas com cerdas de nylon feitas a partir da mamona, fabricada com madeira de bambu certificada é 95% biodegradável. 


Outro local em que você pode adquirir as suas escovas de bambu, é na Bambu Natal (R$10). De acordo com a loja as escovas são fabricadas com bambu e as cerdas são de nylon - ambos biodegradáveis.

Um xero no coração.


Comentários

  1. That’s end result of|as 돈포차 a end result of} it prompts gamblers to increase their guess amounts after they lose a selected roulette spherical. With this technique, you’re not more likely to|prone to} allow the home to gather your whole bankroll. Split– This is a guess on two adjacent numbers on the felt.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bióloga de Salto

  O Blog Bióloga de Salto surgiu em 2009 com a missão de desvincular o esteriótipo social imposto às biólogas (pesquisadoras do lab ou do campo) que escolheram estudar a vida, em toda a sua complexidade. Sem perder o salto, essa nova versão 2.0 do Bióloga será um novo espaço para o diálogo científico e feminino, já que a sua máscara de cílios e seu salto 15 não definem o seu poder cognitivo. Espero que você também possa compartilhar suas experiências de bancada e de make aqui comigo.

E nem sossegarei

  Nessa semana que passou finalmente conheci a Gabriela Prioli (nunca tinha visto só ouvido falar!) e a Rita Von Hunty. Personalidades diferentes, mas com um intelecto curioso e ávido por respostas. O que elas têm em comum? Além de professoras e com expertise em política, dentre outras coisas... O hábito da leitura.   A live da Gabriela Prioli para o perfil da digital influencer Silvia Braz ( Clica AQUI ) foi um espetáculo literário no qual não paro de pensar. A advogada durante a live deixou muito claro que a diversidade de estilos literários, autores, temas e áreas ajudaram em seu processo de construção intelectual. A prática da leitura para muitos ainda é vista como algo “chato e tedioso”. Por outro lado, pode ser também um hobby, só que não está acessível a todo mundo. A internet possibilita o acesso aos mais diversos livros em distintos formatos (audiobooks, .pdf, ebook, etc.) e idiomas e em qualquer parte do globo. Porém, em nosso país 45, 960 milhões de pessoas (25% da popul

Ciência (anti)empática

  Nesses últimos dias tenho observado e conversado com diferentes colegas pesquisadores mundo a fora, e ao que parece, a empatia está na lista vermelha de espécies em extinção.   Escutar e se colocar (verdadeiramente) no lugar do outro é uma utopia escancarada nas redes sociais, mas que na prática refutam o óbvio (não dogmático) científico. Será que a sociedade tem empatia pelo cientista/pesquisador? Será que nossa sociedade está entendendo e se coloca no lugar dos pesquisadores? A pandemia do vírus Sars-Cov-2 está ai para servir de bancada para todos, inclusive para própria sociedade. Ao ser descoberto pelo médico oftamologista Li Wenliang da cidade de Wuhan em dezembro de 2019, a sociedade o silenciou (e infelizmente isso custou sua própria vida). Logo após, ser considerado um novo vírus com alta taxa de contagio, a sociedade decretou vida normal inclusive dos países com grande fluxo turístico, como a Itália (não preciso reavivar a memória das imagens). Ao chegar ao Brasil em 48 h

Instagram